Empresas

11/06/12 18:50
Imprimir

Urbanos diz que Groundforce fecha se perder concurso do INAC

Económico com Lusa

O presidente da Urbanos, que acordou com o Governo a compra da Groundforce, disse que a empresa de 'handling' terá de fechar se perder o concurso do INAC para a assistência em escala nos aeroportos de Lisboa e Porto.

Urbanos diz que Groundforce fecha se perder concurso do INAC

"Não terá viabilidade, terá de fechar", disse em declarações à Lusa o presidente da Urbanos, Alfredo Casimiro, quando questionado sobre a possibilidade de a Groundforce não ganhar a prestação de serviços de 'handling' nos aeroportos de Lisboa e do Porto.

A empresa apresentou-se ao concurso do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC) que escolherá a empresa que ficará com as licenças de 'handling' [serviços em terra de apoio ao transporte aéreo] em Lisboa e no Porto, e no qual um dos critérios exigidos é que a empresa seja maioritariamente detida por privados. A Groundforce tem mais de 2.000 trabalhadores.

Segundo Alfredo Casimiro, perder a licença é precisamente "uma das condições de regressão do negócio", esclarecida no acordo com o Governo. No entanto, afirmou que não acredita que a Groundforce venha a perder o concurso.

"Uma empresa que opera desde sempre no mercado português, que tem as melhores condições, os melhores meios, terá obrigatoriamente de ganhar este concurso, É uma empresa nacional, que conhece o terreno", disse o responsável.

A 05 de Dezembro do ano passado, o Grupo Urbanos chegou a um acordo de princípio com a TAP para a compra de 50,1% do capital da Groundforce, não tendo sido referido então o valor do negócio, que permanece confidencial.

"Não [divulgamos]. Se a Parpública e TAP entenderem, divulgarão", reiterou hoje Alfredo Casimiro.

A venda da maioria do capital da empresa de 'handling' [serviços em terra de apoio ao transporte aéreo] à Urbanos teve 'luz verde', a semana passada, da Direção-Geral da Concorrência europeia, sendo que logo na sexta-feira a secretaria de Estado do Tesouro já fez um despacho a autorizar o negócio.

O processo está agora com a Autoridade da Concorrência, cujo parecer favorável permitirá à Urbanos concretizar o negócio e assumir a gestão da Groundforce.

"Gostava de deixar uma palavra de apelo à Autoridade da Concorrência no sentido ser célere para que o assunto se concretize e deixe ser capa de jornais, e nos permitir trabalhar e tornar a empresa forte e saudável", concluiu Alfredo Casimiro.

O responsável espera começar a gerir a Groundforce a 01 de Julho, alguns meses depois do prazo inicialmente apontado (Fevereiro/Março).

A concretizar-se o negócio, a Urbanos vai receber a empresa de 'handling' sem qualquer passivo financeiro.

O grupo terá, contudo, de injectar capitais na empresa ainda estatal, um valor que já está definido mas que Alfredo Casimiro recusou divulgar.

"Temos previsto [uma injecção de capital] para dar estrutura financeira à empresa", afirmou, garantindo que em caso oposto esta ficaria "bloqueada", sem "poder funcionar".

 

x
Comentários
Disclaimer
"O Económico apela aos leitores para que utilizem este espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados".
x
Recomendadas
x
Social
    0 LEITORES ONLINE