Assine aqui o Económico

Empresas

24 Mai 2013

Somague ganha contratos de 231 milhões no Brasil

Nuno Miguel Silva
Somague ganha contratos de 231 milhões no Brasil

A Somague garantiu a assinatura de dois contratos no valor global de cerca de 231 milhões de euros no Brasil.

"Com estes dois contratos, a Somague amplia e consolida a sua actuação no Brasil, mercado onde se encontra desde 1997", sublinha um comunicado oficial da construtora.

O primeiro contrato garantido pela empresa liderada por Rui Vieira de Sá em consórcio a 50% com a construtora brasileira SA Paulista, tem o valor de cerca de 176 milhões de euros e respeita ao Projecto de Integração do Rio São Francisco com bacias hidrográficas do Norteste setentrional do Brasil.

Este projecto tem como objectivo assegurar a oferta de água a 12 milhões de habitantes de 390 municípios do Agreste e do Sertão, pertencentes aos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

O contrato pressupõe a execução de obras civis, instalação, montagem, comissionamento e testes das obras de modo a proprocionar a operação do sistema formado por canais, barragens e estações de bombeamento.

Os principais trabalhos previstos serão a construção de 54 quilómetros de canal em betão, três barragens, seis estações de bombagem e respectivas subestações, incluindo montagens electromecânicas, estruturas de controlo e tomada de água, galerias e aqueduto em betão, e montagem de tubulações em aço carbono.

"Este é um passo importante para a plena remobilização da obra do rio São Francisco" afirmou hoje Fernando Berzerra Coelho, ministro da Integração do Brasil, na cerimónia oficial de assinatura do contrato.

O segundo contrato ganho pela Somague no Brasil, no valor de aproximadamente 55 milhões de euros, é relativo à empreitada do lote 1 da linha 15 do Metro de São Paulo.

Este contrato integra a construção de quatro estações - São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstoi e Vila União - e tem um prazo de execução de 20 meses.

Todas as estações são elevadas, com alturas variando entre os 12 e os 15 metros, dispondo de uma plataforma com 90 metros de extensão e sendo maioritariamente constituídas por estruturas pré-moldadas de betão e cobertura metálica.

A Somague detém 35% do consórcio formado para esta empreitada, também integrado pela SA Paulista (35%) e pela Benito Roggio e Hijos (30%).

A Somague está já envolvida na construção do interface de Vila Prudente, também para a Companhia do Metropolitano de São Paulo, uma obra que contempla a construção de um terminal de autocarros, da estação de Vila Prudente no sistema de monocarril de São Paulo, da sua ligação à estação de metro já existente, do respectivo edifício técnico e da urbanização exterior.

 

 

 

x
Recomendadas
x
Social
    0 LEITORES ONLINE

    Comentários

    "O Económico apela aos leitores para que utilizem este espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados".
    ir para o topo