Assinaturas 0.36 dia x
IMPRIMIR

Provedor arquiva queixa contra pagamento de impostos por desempregados

O grupo "Resistir por Um Resistir por Todos" entregou, a 14 de Maio, uma queixa contra a Autoridade Tributária e Aduaneira

Provedor arquiva queixa contra pagamento de impostos por desempregados

O provedor de Justiça arquivou o processo relativo à queixa de um grupo de cidadãos contra o pagamento de impostos por parte dos desempregados sem qualquer rendimento, foi hoje divulgado.

O grupo "Resistir por Um Resistir por Todos" entregou na Provedoria de Justiça, a 14 de Maio, uma queixa contra a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), exigindo que esta fosse "obrigada a permitir, em primeiro lugar, a sobrevivência (daqueles) cidadãos e dos seus entes queridos, tornando-os isentos dos seus deveres de contribuintes enquanto não tiverem fontes de rendimento".

Os queixosos consideravam que a situação actual viola o artigo 104.º da Constituição, que estipula que os impostos visam a diminuição das desigualdades sociais, alegando que a própria Lei Fundamental salvaguarda o Direito de Resistência no seu artigo 21.º.

No texto em que se informa da decisão, assinado pelo provedor-adjunto de Justiça Jorge Noronha e Silveira, é assinalado que a Constituição prevê e limita o exercício do direito de resistência em matéria fiscal a determinadas situações.

De acordo com o ponto 3 do artigo 103.º da Constituição: "Ninguém pode ser obrigado a pagar impostos que não hajam sido criados nos termos da Constituição, que tenham natureza retroactiva ou cuja liquidação e cobrança se não façam nos termos da lei".

O provedor considera que "a pretensão (dos queixosos) vai muito além daquela previsão". Recorda-se ainda que o Supremo Tribunal Administrativo já se pronunciou sobre a "extensão do direito de resistência fiscal e da forma de concretização de tal direito", tendo considerado que "o reconhecimento e afirmação dos direitos individuais se faz através do recurso aos Tribunais" e que "a oposição à execução fiscal é (...) o meio processual adequado para concretização do direito de resistência defensiva".

"Não poderá este órgão do Estado, pois, intervir no sentido pretendido (...), instando a AT a deixar de cobrar impostos que não padeçam dos vícios elencados no já citado artigo 103.º, nº 3", adianta o texto.

Refere ainda que "a AT se encontra impossibilitada de conceder moratórias ou perdões fiscais" e esclarece que "o sistema legal vigente já consagra garantias mínimas de subsistência dos cidadãos, face ao direito do Estado de cobrar impostos".

Independentemente da decisão, o provedor de Justiça declara no texto que "tem assistido com preocupação ao aumento do número de queixas que lhe são dirigidas, reveladoras de situações de desemprego e de carência dos agregados familiares" e que "tem intervindo junto dos serviços públicos sempre que, em concreto, estes adoptam ou omitem comportamentos atentatórios dos direitos destes cidadãos".

Comentários

"O Económico apela aos leitores para que utilizem este espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados".

Trending now

    ir para o topo