Política

22 Abr 2013

Merkel avisa que países do euro devem estar preparados para ceder soberania

Económico com Reuters
Merkel avisa que países do euro devem estar preparados para ceder soberania

A chanceler defende que os membros da zona do euro devem ceder o controle de alguns aspectos de política a instituições europeias.

Angela Merkel avisou esta segunda-feira os membros da zona do euro para estarem preparados para ceder o controle de alguns aspectos de política a instituições europeias, caso a Europa realmente consiga superar a crise de dívida e recuperar os investidores estrangeiros.

Num encontro promovido pelo Deutsche Bank, em Berlim, ao lado do primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, Merkel defendeu as posições que tem assumido face à crise contra quem a critica de dar demasiada ênfase à austeridade, ao dizer que a Europa deve encontrar um caminho que conduza tanto ao crescimento como a finanças sólidas.

Estas declarações surgem dois meses antes da reunião dos líderes europeus que irá acontecer em Bruxelas para discutir o caminho em direcção à chamada "união fiscal". As expectativas são baixas, em parte porque um abrandamento da crise tem reduzido a pressão sobre os líderes europeus para que seja dado um grande salto no caminho da integração, mas também devido às diferenças entre a Alemanha e os seus parceiros, concretamente França, em relação aos próximos passos.

"Parece que conseguimos encontrar soluções comuns quando estamos a olhar para o abismo", disse Merkel. "Mas assim que a pressão diminui, todos dizem que querem seguir seu próprio caminho." "Temos de estar preparados para aceitar que a Europa tem a palavra final em certas áreas. Caso contrário, não seremos capazes de continuar a construir a Europa", acrescentou a chanceler.

Tusk disse que seria "perigoso" que outros países da Europa sintam que a Alemanha está a tentar impor o seu próprio modelo económico ao resto dos países. Mas Merkel negou, dizendo que a Europa é feita de culturas diferentes e economias com forças diferentes. A chave, acrescentou, é a Europa orientar-se para promover as melhores práticas.

Isso significa que a Alemanha aceite um mercado único para os serviços, um mercado de trabalho comum e sistemas de Segurança Social mais compatíveis, para que os europeus se possam movimentar de um Estado para outro sem se preocupar com as suas pensões.

"Não precisamos de abdicar de práticas nacionais, mas devemos ser compatíveis", disse Merkel. "Da forma como está agora, é um caos."

"Precisamos de estar prontos para romper com o passado e dar o passo em frente. Eu estou pronta para o fazer", concluiu.

 

Recomendadas

x

Social

x
    0 LEITORES ONLINE

    Comentários

    "O Económico apela aos leitores para que utilizem este espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados".

    Trending now

      ir para o topo