IMPRIMIR

China recebe jovens em início de carreira

Brian Renwick, da Boyden, esteve em Portugal para avisar das oportunidades de trabalho na China.

China recebe jovens em início de carreira
A China vai ser, dentro de dez anos, a maior economia mundial, garante Brian Renwick, ‘partner’ da Boyden no país asiático.

Quando falamos de mercados emergentes, nenhum aparece em maior destaque que a China. Todas as previsões colocam a China a assumir-se, mais tarde ou mais cedo, como a maior economia mundial. Assim, como se devem preparar os profissionais portugueses interessados em explorar todo este novo leque de oportunidades?

"O mais importante é aprender a língua. Não há alternativa. É de uma importância crítica. Até porque, feito isso, todo um mundo de oportunidades se abre. É um óptimo sítio para quem queira abrir o seu próprio negócio, por exemplo", explica Brian Renwick, ‘partner' responsável do desenvolvimento da Boyden na China, que esteve em Portugal para a conferência "Multiculturalismo: Contributo da China para a economia global", organizada em parceria com a AESE.

"Para os mais jovens que dominem a língua, é um grande mercado. Para profissionais mais velhos e já com uma carreira feita, é mais difícil", distingue o especialista em ‘executive search'. "É muito difícil entrar na China logo para um cargo de direcção. É muito mais fácil para quem esteja a começar a carreira".

Também a ter em atenção para quem esteja interessado em trabalhar na China é o modo distinto como os recursos humanos são geridos. "O patrão é o pai e é esperado dos funcionários que obedeçam. Este sistema funciona bem. Este sistema construiu a Grande Muralha e continua a construir grandes pontes e edifícios ainda hoje", explica o ‘partner' da Boyden. "No entanto, onde este sistema falha é na falta de encorajamento da iniciativa individual".

Ao apresentar os resultados de um estudo de mercado que realizou neste país asiático, Brian Renwick avisou o mundo ocidental que, mais do que uma previsão, a ascensão da China ao topo é uma realidade. "Vai acontecer. Todos sabem que vai acontecer. A civilização ocidental não vai ter outra escolha que não aceitar essa situação", avisa. "E não só a China. Temos a Índia, o Brasil, a África do Sul, a Rússia, muitos outros países. Mas a China vai a ser a maior economia mundial dentro de dez anos, tenho a certeza absoluta".

China
Já é o segundo maior país do mundo e a nação com a maior população, com cerca de 1,3 mil milhões de habitantes, e prepara-se também para, a curto/médio prazo, tornar-se a maior economia mundial. Desde que mudou, no final dos anos 70, para uma economia de mercado, a China tornou-se também o líder mundial na exportação de bens.

Nota: Trabalho publicado na edição de 17 de Outubro de 2011 do Diário Económico

Assine aqui o Diário Económico para ler na íntegra o Suplemento Universidades

PUB