Subscreva aqui o Económico à Uma.

Presidenciais 2011

30 Nov 2010

Alegre acusa Cavaco de ser "co-responsável pela crise"

Económico com Lusa
Alegre acusa Cavaco de ser

Manuel Alegre afirmou hoje que o mandato de Cavaco Silva enquanto Presidente foi uma "experiência falhada".

Reagindo à apresentação do manifesto presidencial de Cavaco Silva, esta segunda-feira, Manuel Alegre criticou o facto do candidato apoiado pelo PSD e CDS-PP considerar "que Portugal precisa de um presidente com muita experiência".

"Ele falou muito da experiência, falando de si próprio, e de que Portugal precisa de um presidente com muita experiência, portanto precisa de um presidente como ele", relatou Manuel Alegre, salientando ainda do discurso de Cavaco Silva que terá feito "muitos avisos" ao governo durante o actual mandato.

"A experiência parece que não serviu para grande coisa e os avisos também não", apontou Manuel Alegre, criticando que Cavaco Silva não tenha "usado os poderes presidenciais que detém", o que interpreta como "uma experiência falhada".

"Embora o candidato Cavaco Silva queira lavar as mãos como Pilatos, ele é co-responsável pela crise e pela situação em que se encontra o nosso país", acusou.

Manuel Alegre acusou ainda Cavaco Silva de estar "a abrir caminho ao esvaziamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) como um serviço universal e tendencialmente gratuito".

"Ele disse que devia ser discutida a sustentabilidade do SNS sem preconceitos ideológicos e ao fazer esta afirmação, ele está a tomar partido, está a fazer uma afirmação ideológica e está a aderir à posição das forças políticas do centro-direita que o apoiam e que têm um projecto estratégico de destruição do Estado Social, nomeadamente do SNS", afirmou.

"Quando ele diz que sem preconceitos ideológicos se deve discutir a sustentabilidade do SNS e da Segurança Social está a abrir o caminho ao esvaziamento do SNS como um serviço universal e tendencialmente gratuito e está a abrir o caminho à privatização da segurança social", sublinhou.

O candidato apoiado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda (BE), defende que isso é o que vai estar em causa no próximo dia 23 de Janeiro: "é essa escolha que os portugueses vão ter que fazer e essa é uma escolha política, sobre o modelo político do país, sobre o modelo de sociedade, sobre a forma e o conteúdo da nossa democracia".

Manuel Alegre deixou ainda a promessa de que, se for eleito, nos serviços públicos "ninguém toca".

"A minha posição é clara, comigo na presidência, ninguém toca no SNS, ninguém toca da Segurança Social pública, ninguém toca no conceito de justa causa e ninguém toca na escola pública", prometeu.

O candidato às eleições presidenciais de 23 de Janeiro apoiado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda discursava hoje num almoço com apoiantes, após uma reunião com a Administração do Porto de Sines.

 

x
Recomendadas
x
Social
    0 LEITORES ONLINE

    Comentários

    "O Económico apela aos leitores para que utilizem este espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados".
    ir para o topo