Assine aqui o Económico

Economia

30 Abr 2012

"A partir de 2015 iniciaremos a reposição dos subsídios e cortes"

Eudora Ribeiro

Primeiro-ministro garante que Governo começa a repor os subsídios de férias e Natal e os cortes salariais na Função Pública a partir de 2015.

Fazendo eco das palavras do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, horas antes, Passos Coelho garantiu esta tarde que os funcionários públicos começam a recuperar o corte nos salários e os subsídios de férias e de Natal a partir de 2015. 

"A partir de 2015 nós iniciaremos a reposição gradual dos subsídios de férias e de Natal bem como os cortes nos salários da função pública efectivados em 2011", afirmou o primeiro-ministro em visita à 29ª edição da Ovibeja.

Passos Coelho adiantou que, nesta altura, existe apenas uma "indicação técnica quanto ao nível de reposição que será feita", acrescentando que "ela será feita, em qualquer caso, pela margem
orçamental" que o Governo tiver.

O primeiro-ministro adiantou, contudo, que o "desejo" do Governo é que a reposição "possa ser"
feita "tão rapidamente, e a um ritmo tão intenso, quanto possível", acrescentando que "não vale a pena estarmos nesta altura a antecipar essa questão".

Na mesma ocasião, Passos Coelho disse estar aberto ao diálogo com o PS e à discussão do programa de execução orçamental aprovado hoje. "O Documento de Estratégia Orçamental (DEO) foi hoje aprovado pelo governo e será discutido e analisado pelo Parlamento", disse Passos.

O primeiro-ministro sustentou que "a ideia de que não existe diálogo e de que o DEO corresponde a um novo PEC é uma ideia falsa. Não há um novo PEC, há é um programa de consolidação financeira", argumentou, insistindo que "ninguém está fora da discussão".

Questionado sobre se o documento hoje aprovado em Conselho de Ministros prevê mais medidas de austeridade ou novos impostos, Passos Coelho respondeu que "não". "Não há qualquer novo PEC. Este documento fixa o nível de despesa do Estado até 2016", frisou aos jornalistas.

x
Recomendadas
x
Social
    0 LEITORES ONLINE

    Comentários

    "O Económico apela aos leitores para que utilizem este espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados".
    ir para o topo